FACOM REALIZA PARCERIA COM TRT8

Publicado por facom em 21 de agosto de 2017 às 16:54

Programação contou com bate-papo sobre crítica de mídia, voltado aos jovens do projeto de combate ao Trabalho Infantil

Texto: Everton Santos e Jesse Ferreira
Fotos: Esthefany Silva e Ana Paula Maciel

A Facom recebeu, no dia 16 de agosto, os alunos participantes do projeto “Elo da Solidariedade Acadêmica em prol da Infância e da Adolescência”, que visa auxiliar o desenvolvimento pleno de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. A iniciativa é um desdobramento do projeto “Padrinho-Cidadão”, que foi criado pela Comissão de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem da Justiça do Trabalho (Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região).

Jovens-TRT8

Projeto

A partir de uma pesquisa realizada em 32 municípios do estado, onde foram ouvidos mais de 216 mil alunos de escolas públicas, concluiu-se que mais de 25% desses estudantes eram trabalhadores infantis. Partindo desse princípio, a Comissão de Combate ao Trabalho Infantil idealizou o projeto “Padrinho-Cidadão”, que além de auxiliar crianças e jovens de 7 a 21 anos, buscar estimular a prática esportiva, as atividades lúdicas e, principalmente, o estudo. Com isso, a iniciativa visa a redução do trabalho infantil e o controle do índice de violência na região.

A Desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, Maria Zuíla Dutra, destaca a importância do projeto no contexto social ao qual os jovens estão inseridos: “Um dos propósitos de nossas ações é estimular nos adolescentes e jovens o direito de sonhar e de acreditarem na possibilidade de sua realização, apesar da precária condição social em que vivem.”

Jovens TRT8-1

O estudante do curso de Direito, Cezar Tavares, um dos voluntários do “Padrinho-Cidadão”, afirma a importância da iniciativa para os estudantes em situação vulnerável e para ele como futuro advogado. “Essa vertente que o projeto abarca, de luta contra o trabalho infantil, evasão escolar, são fatos sociais que estão presentes nas comunidades e que o Direito luta contra essa problemática. Então, o trabalho que a gente desenvolve na Comissão de Combate ao Trabalho Infantil é muito gratificante porque a gente orienta os jovens a seguir no estudo, pois é através disso que eles têm a oportunidade de mudar as suas realidades e da sociedade em geral”, pontua.

Visita

Os estudantes atendidos pelo projeto fizeram um tour pelas dependências da Faculdade de Comunicação, onde conheceram os projeto de extensão Rádio Web UFPA, Oficina de Criação, Jornal Primeiras Linhas, além de salas de aula, estúdios e laboratórios de informática. Emi Silva, participante há 4 meses, explica que, apesar do pouco tempo de vivência no projeto, as atividades proporcionadas são importantes para o seu futuro. “Já fomos conhecer vários lugares, mas aqui na Faculdade de Comunicação tem um sabor especial. Eu quero fazer meu curso (jornalismo) aqui, então essa visita está sendo muito importante pra mim”, concluiu.

Jovens TRT8-3

Evento

Ocorrido no auditório do Instituto de Letras e Comunicação (ILC), o encontro marcou o início da parceria entre a Faculdade de Comunicação e o Projeto Padrinho-Cidadão. Na ocasião, foi realizada a palestra “Vamos Pensar sobre Mídia?”, que teve como foco explicar aos alunos o que é comunicação, o que fazem os profissionais da área, entender os desdobramentos do campo midiático e, principalmente, promover um debate crítico sobre uso e consumo de mídia.

A `Profª Dra. Rosane Steinbrenner, diretora da Facom, destacou a importância de promover eventos que discutam o uso de mídia e sobre como seu discurso está presente na vida das pessoas: “É extremamente importante, nós que fazemos parte de um núcleo de formação em estudo sobre comunicação numa universidade pública da Amazônia, promovermos eventos, mecanismos que possam provocar a discussão sobre o uso e consumo consciente das mídias.”

Jovens TRT8-2

Além disso, Rosane Steinbrenner ressalta o preocupante momento no qual a mídia está inserida e a importância da discussão com as esferas da sociedade: “Muitos daqueles que acabam reproduzindo e multiplicando a circulação, potencializando a velocidade e o volume do que circula diariamente nas mídias, o faz sem pensar, no automático, sem reflexão. E aí mora um grande perigo nos dias de hoje: de acabarmos reproduzindo aquilo que devemos combater. Justamente o preconceito, as discriminações, as intolerâncias. E, na verdade, esse é um papel fundamental de todos nós, isso cabe a todos nós. E como Faculdade de Comunicação, é nosso papel ajudar também a provocar esse debate e essa reflexão.”

A Desembargadora Maria Zuíla Dutra se mostrou satisfeita com os resultados proporcionados pelo debate sobre o uso da mídia. “A discussão de hoje promoveu nos alunos novas perspectivas, levando-os a vislumbrar a possibilidade de um futuro melhor, através das diversas experiências e realidades que lhes foram repassadas; possibilitando ainda a descoberta de novos talentos profissionais, e a percepção de que a busca de conhecimento é um caminho seguro para romper com o ciclo da pobreza em que estão inseridos. O papel da mídia é fundamental na construção dessa corrente de solidariedade, sobretudo porque a criminalização dos jovens deve ser repensada, considerando que a proteção ‘integral e absoluta’ das crianças e adolescentes é responsabilidade de todos (pais, estado e sociedade)”, reitera.

Parceria

Segundo a diretora da faculdade, o evento que marcou o início da parceria foi o primeiro de muitos: “A ideia é um encontro por mês, para tentar explicar a esses jovens, o que fazem os profissionais que nós formamos, jornalistas e publicitários, e sobre esse campo e potencial mercado de trabalho”.

Maria Zuíla Dutra vislumbra muitos resultados positivos na parceria. “Foram plantadas muitas sementes de ensinamentos e de estímulo, sobretudo porque os profissionais da Facom transmitiram paixão pelo que fazem. E isso é muito importante na fase e na condição de vida dos alunos do nosso Projeto. Acredito firmemente que a educação é o caminho seguro para a mudança que se faz necessária, na vida deles e de toda a sociedade”, finaliza.

VOLTAR
MAIS NOTÍCIAS